Pente Fino pode cancelar pagamento do Auxílio emergencial
Auxílio Emergencial

Pente Fino pode cancelar pagamento do Auxílio emergencial

Auxílio Emergencial

Pente Fino pode cancelar pagamento do Auxílio emergencial. O sinal verde do governo para o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 não é garantia de que todas as parcelas serão pagas ao beneficiário. Muitos não sabem, mas, a cada parcela paga, o Ministério da Cidadania faz uma reanálise dos dados. Nela, são verificadas irregularidades e possíveis alterações na situação do trabalhador informal que poderão causar a suspensão da assistência. Baixe o Aplicativo Gratuito do Portal Mix Vale

— Tem casos de pessoas que receberam a primeira parcela e, agora, em uma reanálise, a situação mudou por algum motivo, e elas estão em nova análise ou não tiveram o direito ao benefício — explicou a vice-presidente de Governo da Caixa Econômica Federal, Tatiana Thomé.

Pagamento do Auxílio emergencial: Caixa atualiza informações(Abre numa nova aba do navegador)

Essa mudança de situação pode acontecer, por exemplo, para quem recebe o auxílio emergencial e, entre uma parcela e outra, conseguiu um trabalho formal. Essa informação passará a constar da Carteira de Trabalho, e o sistema, ao reanalisar os dados, vai vetar o pagamento do benefício.

20 dúvidas no INSS no Coronavírus(Abre numa nova aba do navegador)

Essa regra também vai valer para quem começar a receber outro benefício entre o recebimento da primeira e segunda parcela do auxílio emergencial, como, por exemplo, uma aposentadoria. Nesse caso, também será cortado o pagamento do auxílio de R$ 600.

Auxílio emergencial: Presidente fala em mais parcelas Auxílio R$ 600(Abre numa nova aba do navegador)

Há ainda um terceiro caso em que a pessoa pode ter o pagamento do benefício suspenso: caso a renda da família fique acima de três salários mínimos (R$ 3.135) ou caso a renda mensal por pessoa da família passe a ser maior do que o valor equivalente a meio salário mínimo (R$ 522,50). Fonte Extra Online

Caixa deve liberar R$ 1.045 do FGTS para quem tem app na segunda

O governo deve liberar na próxima segunda-feira o acesso a um salário mínimo (R$ 1.045) do FGTS para todos os trabalhadores que tenham saldo em contas ativas ou inativas no fundo. No entanto, por 30 dias (de 15 de junho a 15 de julho), os R$ 36 bilhões do novo “saque emergencial” do FGTS só estarão disponíveis no aplicativo Caixa Tem, o mesmo usado por beneficiários do auxílio emergencial, aquele de R$ 600, segundo uma fonte. Somente a partir de 15 de julho, o dinheiro poderá ser sacado ou transferido para outros bancos, mas com um escalonamento de datas, com base no mês de aniversário da pessoa. Procurada pelo O DIA para dizer quantos seriam beneficiados com a medida no Rio de Janeiro, a Caixa não havia respondido até o fechamento desta edição.

Por meio do app Caixa Tem é possível fazer pagamento de contas e boletos de água, luz, telefone e cartões de crédito. A pessoa também pode emitir um cartão de débito digital, que pode ser usado para comprar em sites e aplicativos. É sempre bom relembrar que estamos em período de pandemia de coronavírus e não é necessário que o cliente vá à uma agência da Caixa, pelo aplicativo é possível ver se foi contemplado com o dinheiro. Caso precise ir ao banco lembre-se de usar máscara e de manter o distanciamento social de 1,5 m a 2m. O uso do álcool gel também é indispensável.

Falta de dinheiro em circulação


O dinheiro do FGTS só não estará disponível para saque em espécie a partir de segunda-feira porque não há dinheiro suficiente para fazer todos os saques. Essa liberação de dinheiro levou a Casa da Moeda a produzir mais papel moeda. Desde 13 de março, o total de dinheiro em circulação no país aumentou R$ 70 bilhões, saindo de R$ 256 bilhões em 13 de março, para R$ 326 bilhões, de acordo com dados do Banco Central.
Mas mesmo com esse esforço, a Caixa foi obrigada a achar uma maneira alternativa de liberar os recursos sem ter de colocar as notas de dinheiro efetivamente na mão das pessoas. E essa alternativa foi o aplicativo Caixa Tem.

Entenda como o Auxílio emergencial é analisado pelo Governo(Abre numa nova aba do navegador)

Num primeiro momento, as pessoas usam os recursos via Caixa Tem para pagar contas, boletos e fazer compras em lojas. Em tese, num segundo momento, na hora em que os recursos ficam de fato liberados para saques e transferências para contas de outros bancos, a quantidade de dinheiro que as pessoas ainda têm disponível para sacar é menor e, consequentemente, a necessidade de papel moeda também é menor. Esse é o grande raciocínio por trás da criação do aplicativo Caixa Tem e depois do escalonamento dos pagamentos de acordo com o mês de aniversário da pessoa.

Um calendário com o mês de aniversário das pessoas deve ser anunciado no começo da próxima semana. O pedido de transferência dos recursos para outros bancos, provavelmente, será feito também via o aplicativo Caixa Tem. Todos esses detalhes devem ser anunciados na semana que vem.

Medida Provisória
O governo anunciou o saque emergencial por meio da Medida Provisória 946, em função da pandemia do coronavírus. Terá direito a sacar até R$ 1.045 do FGTS todo trabalhador que tem saldo na conta ativa – do emprego atual – ou inativa – de empregos anteriores. Se o cliente tiver R$ 500 no FGTS, poderá sacar esses R$ 500 e se tiver R$ 500 mil, terá acesso aos R$ 1.045.

Cada trabalhador terá direito a um saque, independentemente do número de contas. Ao todo, são mais de 60 milhões de brasileiros com contas do FGTS, dos quais 20 milhões não têm conta em banco. A medida deve injetar até R$ 36,2 bilhões na economia. Para 30,7 milhões de cotistas, a liberação fará com que a conta do FGTS fique zerada.

Fonte https://odia.ig.com.br/economia/2020/06/5932990-caixa-deve-liberar-r–1-045-do-fgts-para-quem-tem-app-na-segunda.html

To Top