Esportes

Três torcedores espanhóis são condenados por ofensas racistas a Vinicius Jr

VINI JR REAL MADRID
REDE SOCIAL

Nesta segunda-feira (10), três espanhóis foram condenados a oito meses de prisão por injúrias racistas contra o jogador brasileiro Vinicius Jr. Além da pena de prisão, eles estão proibidos de entrar em qualquer estádio de futebol na Espanha durante dois anos. Esta é a primeira sentença na Espanha por racismo no futebol e a primeira em resposta à série de incidentes racistas contra Vinicius Jr. ocorridos no ano passado.

Os condenados foram identificados entre os torcedores do Valencia que xingaram Vinicius Jr. de “macaco” durante um jogo contra o Real Madrid, em maio do ano passado. Um dos agressores foi reconhecido pelo próprio jogador após a partida, enquanto os outros dois foram identificados por câmeras de segurança instaladas no estádio.

A LaLiga, liga espanhola de futebol profissional, destacou em comunicado a importância desta sentença: “A LaLiga conseguiu a primeira sentença condenatória na Espanha por insultos racistas no futebol”. Até o momento, os advogados dos condenados não informaram se pretendem recorrer da decisão.

Casos de racismo no futebol

Os incidentes de racismo contra Vinicius Jr. na Espanha ganharam grande repercussão no ano passado, especialmente após o jogo de maio entre Real Madrid e Valencia. Na ocasião, após ser insultado, Vinicius Jr. reclamou com o juiz, que interrompeu a partida. Uma confusão se seguiu, resultando na expulsão do jogador brasileiro após um confronto físico com adversários.

O caso provocou um grande debate sobre racismo no futebol, com Vinicius Jr. cobrando ações mais firmes da LaLiga, cujo presidente, Javier Tebas, inicialmente criticou o jogador. No entanto, diante da repercussão mundial, Tebas recuou e pediu desculpas.

A polícia espanhola também agiu rapidamente, identificando e detendo torcedores envolvidos nos insultos racistas, bem como aqueles que, meses antes, penduraram um boneco preto com a camisa de Vinicius Jr. em um viaduto em Madri.

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, condenou o episódio e cobrou mais ações antirracistas no futebol, enquanto o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, manifestou solidariedade com Vinicius Jr.

To Top